Site acessível - Instituto Magnus

Página: Postagem no blog - Dia internacional do cão-guia: número de cães no Brasil ainda é insuficiente frente à demanda
Descrição da página:

Você está na página inicial do site do Instituto Magnus. Acima do texto de apresentação, pode ser encontrado os botões que irão te levas até as páginas: O Instituto, Programas, Voluntário, Blog, Contato e redes sociais. Abaixo, do lado esquerdo está disposto o texto de apresentação do instituto. Ao lado direito, um cão, Golden Retriver (raça dos cães guia) está olhando na direção do texto. Ambos, texto e foto estão sobre um fundo de cor amarela.

Logo abaixo, caixas de texto com fundo branco e amarelo contendo missão, visão e valores do instituto, ordenadas uma ao lado da outra.

Um último texto, falando sobre os futuros programas do Instituto Magnus, pode ser localizado abaixo e do lado esquerdo. Ao lado direito, em um bloco de cor cinza escura, está o botão que irá te levar para a página do projeto “Cão-guia”.

Blog

Dia internacional do cão-guia: número de cães no Brasil ainda é insuficiente frente à demanda

Categoria: Vida de Cão-Guia

Dados do IBGE revelam que há mais de 6 milhões de pessoas com algum tipo de deficiência visual para apenas 200 cães-guia em atividade no país.

São Paulo, abril de 2020 – Na última quarta-feira do mês de abril comemoramos o Dia Internacional do Cão-Guia, mas, infelizmente, ainda há um longo caminho de conquistas para percorrer antes de comemorar. Isso porque, o número de cão-guia no Brasil ainda não é suficiente para atender à demanda necessária. Segundo o IBGE, existem mais de 6 milhões de pessoas com alguma deficiência visual, e cerca de 200 cães-guia em atividade. No mundo, o problema se repete: existem aproximadamente 98 organizações que formam os cães, em 33 países, associadas a Federação Internacional de Cão-Guia.

A data, no entanto, homenageia a importância que o animal exerce na vida de uma pessoa com deficiência visual. Historicamente, as primeiras documentações de cães exercendo o papel de guia são do século 16. Segundo a Federação Internacional de Cães-Guia, o primeiro treinamento especializado neste suporte foi em meados de 1780, no hospital para deficiência visual Les Quinze-Vingts, em Paris, mas apenas em 1916 foi fundada a primeira escola exclusiva para a formação do cão-guia. Um importante passo, afinal, o cão se torna extensão do corpo da pessoa com deficiência visual. Além de guiar, o cão tem o papel de promover a inclusão através do aumento das interações sociais, ganho de autoestima entre outros benefícios. 

Entretanto, a formação de cães-guias é uma tarefa que encontra muitas adversidades, desde a ausência de recursos financeiros para a manutenção e treinamento dos animais até a falta de centros especializados que ofereçam o serviço. Mas há uma luz no fim do túnel:  com a missão de minimizar essas barreiras, existem instituições que treinam o cão-guia e doam à pessoa com deficiência visual, como o Instituto Magnus.

Conheça o Instituto Magnus

Entidade de assistência social, o Instituto Magnus surgiu em novembro de 2015 para promover a inclusão social, a convivência familiar e comunitária e a cidadania às pessoas com deficiência visual. Com uma estrutura física de 15.000 m², a inauguração oficial da instituição aconteceu em 28 de setembro de 2018, em Salto de Pirapora (SP), o que firmou ainda mais os valores e a atuação no segmento. Como resultado, até 2019 realizou a entrega de 18 cães-guias e, em 2020, está prevista a formação de mais dezoito novas duplas de cães-guias e pessoas com deficiência visual com o objetivo de diminuir a disparidade alarmante. Mantido pela Adimax, o Instituto se tornou modelo quando tratamos de iniciativas de empresas privadas com responsabilidades sociais. 

Inserido na esfera da inclusão social das pessoas com deficiência visual, a atuação do Instituto Magnus é ampla e vai além do treinamento e entrega de cães-guia. Suas atividades também visam promover a conscientização e educação para uma sociedade mais inclusiva por meio de palestras informativas e educativas em escolas e empresas, vivências, dinâmicas de grupos e ações de divulgação para engajamento de pessoas à causa ”Há ainda muito trabalho pela frente, mas seguimos firmes na causa e aos poucos, com excelência acima de tudo, transformaremos muitas vidas”, declara Thiago Pereira, gerente geral do Instituto. 

Com o objetivo de aprimorar o treinamento de futuros cães-guia, em abril de 2019, a entidade inaugurou uma maternidade em sua sede para abrigar primeira ninhada nascida no local. Neste ano, está prevista a chegada de algumas ninhadas e será na maternidade que iniciarão os treinos para a profissão futura que irão seguir.

Instrutor: a importante peça na formação de um cão-guia        

O treinamento eficiente do animal é de suma importância no sucesso da tarefa de guia. No Instituto Magnus, por exemplo, os instrutores permanecem, em média, três anos em fase de aprendizado e passam por diversos módulos seguindo os padrões da Federação Internacional. Inicialmente apenas acompanham os instrutores e observam as atividades e depois a situação se inverte, até chegar a fase em que realizam as atividades com autonomia. 

Existem profissionais dedicados ao desenvolvimento dos filhotes e socialização e outros ao treinamento específico do cão, entrevista da pessoa com deficiência visual e treinamento e acompanhamento da dupla. 

A supervisão do cão-guia não acaba quando ele é doado para uma pessoa, pois após essa passagem, o instrutor ainda faz a adaptação e acompanha o animal por períodos determinados – sua aposentadoria. 

Como agir quando estamos no mesmo ambiente que o cão-guia 

É sempre muito difícil resistir à fofura dos cães, não é mesmo? Mas quando encontramos um cão-guia é preciso sempre lembrar que eles estão trabalhando, e qualquer desvio de atenção pode ser prejudicial à segurança do animal e do seu tutor. Então, quando estiver no mesmo ambiente, lembre-se: 
– Não toque e nem acaricie o cão-guia enquanto ele estiver trabalhando; 
– Não ofereça alimentos;
–Se quiser interagir com o cão, solicite primeiro à pessoa;
- Se quiser oferecer ajuda, também se dirija a pessoa com deficiência visual; 
– A lei federal 11.126/2005 e o decreto 5.904/2006 asseguram o direito do ingresso e permanência do cão-guia junto com instrutor, treinador ou voluntário socializador em qualquer ambiente de uso coletivo.

Compartilhe

Parceiros